Notícias do lado de lá e cá

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter

André Luiz com o Governandor em Nosso Lar

As cenas do hospital propiciam um bom momento de humor, permitindo de uma forma menos poética demonstrar a recuperação de André. O ambiente demonstra claramente como ainda temos que aprender, e como muitas vezes precisamos olhar os problemas dos outros para aprender a compreender melhor os nossos problemas.

Desse ponto em diante, as situações não ocorrem na mesma seqüência em que ocorrem no livro, diversas situações são adaptadas e outras reescritas de forma a facilitar a compreensão e de localizar todas as situações como se acontecessem ao mesmo tempo, demonstrando em paralelo, como André inicia o processo de documentação de sua estadia em Nosso Lar.

Através dos primeiros passeios em Nosso Lar podemos ver o quão belo é a colônia espiritual. É uma vasta cidade muito florida, limpa e reluzente. O Sol, conforme já citei, é o responsável pela maravilha das cores e pelos brilhos e reflexos maravilhosos vistos nas estruturas da cidade. Talvez seja por esse ponto que muitos podem ter achado Nosso Lar “irreal”, mas se imaginarmos que estamos falando de matérias menos grosseiras que aquele a que conhecemos, podemos deduzir que seja muito parecido mesmo como um sonho, até mesmo para diferenciarmos o que é lá e o que é aqui.

Muito da base da doutrina espírita está no poder de manipulação do fluído cósmico universal, através da força do pensamento. O pensamento e força ativa capaz de manipular e moldar o mundo a nossa volta. Assim, em Nosso Lar, todas as construções, plantas são frutos da mente daqueles que ali vivem. Assim como o próprio umbral.

Da mesma forma que Nosso Lar, foi construída pelos primeiros colonizadores portugueses que aqui desencarnaram, o umbral foi sendo formado ao longo dos anos pelos desencarnados que através de seus próprios pensamentos, chegavam a plano espiritual, carregados de culpa, de vergonha, de maldade e ali permanecem (muitos já há muitos séculos), formando um local pesado, triste, sem cores, sem luzes, sem vida.

Deus não criou o umbral e também não criou o “Inferno”, o próprio homem, cria para si, o lugar no qual ficará após o desencarne. Pense comigo, se eu acredito que vou para o Inferno ou para o Paraíso, pois a vida toda eu ouvi sobre os dois, e idealizei o inferno da forma mais triste e sofredora possível, com muita dor e ranger de dentes, onde o fogo arde incessantemente, e depois de alguns anos, desencarno e ao invés de acordar no paraíso que idealizei, acordo em local muito parecido com a própria terra, onde vejo outras pessoas sofrendo, tristes e desiludidos, onde vou acreditar que estou nesse momento?

E todo bem que fiz? Porque eu vim parar aqui? Provavelmente me lembraria dos erros que cometi e começaria a me culpar e a questionar o motivo de estar ali. Duvidaria de tudo que cresci acreditando e me colocaria em um estado de revolta contra Deus, que me afastaria ainda mais do Criador.

E com meus pensamentos, agora tomados pela cólera, pelo desespero, auxiliaria ainda mais na ampliação desde mundo negro a minha volta, pois quando estamos revoltados, com raiva, não queremos luz, preferimos os locais escuros, isolados, os cantinhos. Talvez assim seria o meu inferno antes da doutrina espírita… E como seria o seu?

 Outro ponto a destacar foi a segunda guerra mundial, ponto abordado no livro, a partir de 1938, onde todos esperam pelos desencarnados na guerra. Um ponto a gerar dúvidas seria o motivo pelo qual aqueles desencarnados vieram direto para Nosso Lar, enquanto André levou 8 anos para isso. Ai temos um ponto muito importante a observar. Quem são os “mortos” que chegam?

São judeus dos campos de concentração, famílias que tiveram suas casas destruídas, pessoas que sofreram já o horror em vida, e não necessitaram de sofrimento para se lembrar de Deus. Essas pessoas passaram pelo purgatório e muitas vezes o próprio inferno em vida. Por isso, suas estadias no umbral, foram curtas e em pouco tempo foram resgatados e já encaminhados para Nosso Lar.

Bom, temos muitos outros acontecimentos em Nosso Lar. Espero que essas poucas palavras ajudem a divulgar um pouco do filme e dessa obra maravilhosa. Leiam o livro, não precisa ser com olhos espíritas, mas também não precisa ser com um ávido investigador a busca de erros e inconsistências. Leia como um romance, como uma ficção, mas guarde claramente os ensinamentos que o mesmo contém, já que amor aos irmãos faz parte dessa máxima, seguida por muitas religiões:

“Amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo.”




coded by nessus

És encarnado *
Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Mais Visitados

viewer

Cartas Consoladoras Psicografadas - Bela Vista do Paraíso/PR

Nos dias 24 e 25 de Novembro, Bela Vista do ...

Raul Teixeira Cover

Informações sobre o estado de saúde de Raul Teixeira

A Sociedade Espírita Fraternidade emitiu uma nota sobre o estado ...

cartaz_concafras_2012

Caravana de Londrina para Concafras 2012

O pessoal do Núcleo Espírita Chico Xavier, convida aos interessados ...

1º Reveillon Espírita do Estado de Goias

O usuário do Facebook Neto de Oliveira, lançou no microblog,  um ...

Promoção Escolha um Tema

Promoção Escolha um Tema

Amigos de ideal espírita, estou aqui anunciando nossa primeiríssima promoção, ...