Notícias do lado de lá e cá

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter

Nas obras espíritas, vemos vários exemplos da prática do perdão,  que é um grande ato tanto para aqueles que se arrependem do que fizeram e/ou disseram e buscam o perdão, como para aqueles que perdoam verdadeiramente, esquecendo o mal que lhes fora causado e dando àqueles uma chance para a mudança de suas atitudes.

Nós ainda somos seres imperfeitos, e querendo ou não, o orgulho ronda todas as nossas ações. Então nos perguntamos, como perdoar? Como esquecer a dor que alguém nos causou? Como acreditar novamente na palavra de quem algum dia nos traiu? Como colocar o orgulho, a raiva e o ressentimento de lado?

Bom, são perguntas difíceis, pois, esses sentimentos não são passíveis de mudança do dia para a noite, assim como nenhum outro, e é necessário trabalhá-los a cada dia, começando com pequenos atos de perdão, como por exemplo caso seja alvo de uma brincadeira de mal gosto, tente esquece-la sem guardar nenhum sentimento ruim.

Mas nunca deve-se perdoar apenas com palavras, dizer que está tudo bem quando não está. Quando se diz isso, você está mentindo não apenas para aquele que lhe magoou como também para si mesmo, o que é ainda pior, pois estará enganando o seu coração. Conheça a si mesmo, conheça seus sentimentos, conheça a sua capacidade de perdoar, assim, quando perceber que não consegue esquecer, dê um tempo a si mesmo, as vezes precisamos deixar a cabeça esfriar, outras coisas acontecerem e, quem sabe, quando estiver pronto para remexer naquela lembrança você consiga perdoar verdadeiramente, esquecer e não se apegar às memórias que não vão lhe fazer bem.

Mas ainda existe aqueles momentos (que não são raros), em que precisamos perdoar a nós mesmos. Em algumas vezes pode, parecer fácil, em outras, a culpa de ter ferido os sentimentos de alguém nos é tão forte que passamos a odiar a nós mesmos e nossas ações. Pedir desculpas a alguém se torna difícil por causa do nosso orgulho, mas perdoar a nós mesmos é algo tão difícil quanto, já que afinal, como podemos esquecer que magoamos alguém? Mesmo depois deste alguém ter-nos perdoado, sentimos ainda a culpa em nossa consciência.

Devemos perceber que se até mesmo a pessoa a quem ofendemos esqueceu a nossa ofensa, não devemos nos martirizar por isso, e sentir pena de nós mesmos. Olhe a sua volta, da mesma forma que perdoamos a quem nos feriu devemos nos perdoar e buscar o perdão daquele que nós também ferimos. Pense um pouco, distraia a sua cabeça, o tempo cura tudo.

E enquanto o tempo passa e a ferida cicatriza, se dedique ao que gosta, estude, leia, trabalhe no bem e assim vai aprender o quanto a vida pode ser bela quando nos dedicamos de coração ao que  faz bem a nós mas também ao próximo.

 




coded by nessus

És encarnado *
Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Mais Visitados

viewer

Cartas Consoladoras Psicografadas - Bela Vista do Paraíso/PR

Nos dias 24 e 25 de Novembro, Bela Vista do ...

Raul Teixeira Cover

Informações sobre o estado de saúde de Raul Teixeira

A Sociedade Espírita Fraternidade emitiu uma nota sobre o estado ...

cartaz_concafras_2012

Caravana de Londrina para Concafras 2012

O pessoal do Núcleo Espírita Chico Xavier, convida aos interessados ...

1º Reveillon Espírita do Estado de Goias

O usuário do Facebook Neto de Oliveira, lançou no microblog,  um ...

Promoção Escolha um Tema

Promoção Escolha um Tema

Amigos de ideal espírita, estou aqui anunciando nossa primeiríssima promoção, ...